Arquivo de etiquetas: Colca Canyon

Condores de cabeça

Saímos do Refúgio del Colca eram 06:30. A primeira paragem foi a aldeia de Yanque, a mesma que havia visitado no dia anterior durante a corrida. Seguimos ao longo do canyon del Colca em direcção à Cruz del Condor, o spot preferido da bicharada.

Este canyon, apesar dos seus 4000 m de desnível, não é tão espectacular como o Grand Canyon. A morfologia e as cores do Grand Canyon acho que o tornam, sem dúvida, numa das maravilhas naturais do mundo.

Mal avistamos o miradouro da Cruz del Condor vê-mos logo uma meia dúzia de condores a planar à mesma cota do bordo do canyon. OK, é verdade, são mesmo grandes. Podendo atingir 2,8 m de envergadura e pesar até 14 kg estas gaivotas dos andes são mesmo muito grandes. Passamos uma hora a observar os vôos destas aves sagradas ao sabor das térmicas que sobem pelo canyon.

Regressamos a Chivay para almoçar e trocar de minibus. Seguimos em direcção a Puno. Neste trajecto passamos outra vez por um colo aos 4800 m. Começam-nos a aparecer novamente as dores de cabeça. Tenho dúvidas se será devido à altitude ou à ressaca pela falta da dose diária de cafeína… Os sintomas são os mesmos.

Seguimos sempre acima da cota dos 4000 até a um lago cujo nome não me recordo. Aí avistamos flamingos e mais passarada. O vento e a temperatura lembram-nos da altitude a que nos encontramos. Logo de seguida paramos num lago de altitude superior ao Titicaca – Laguna Lagunillas.

Passamos em Juliaca e daí seguimos para Puno. Em Puno foi só o tempo de saltar para fora do bus e entrar num táxi para nos levar ao Hotel que se situa a 18km de Puno.

Mate de coca, rebuçados de coca, folhas de coca… Chegou agora a vez do Ben U Ron!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Correr a 3400 m cansa!

Desde o AXTrail que não fazia nada. Hoje foi o dia de regresso aos treinos. Perguntei na recepção do Refúgio del Colca por caminhos aqui à volta mas fiquei na mesma. Resolvi então correr na estrada que liga Chivay a Cabanaconde e que acompanha o Canyon del Colca. Os 10km que queria fazer deveriam chegar para ir até Yanque e regressar.

Ao final do km1 o batimento cardíaco já ía nos 160 bpm a correr em plano! Ao km2 começa-me a doer a cabeça… OK, então é isto!

Continuo a correr a um ritmo ultra lento. Entro em Yanque e atravesso a praça em direcção à entrada da Igreja. Paro um minuto para tirar fotos e começo a correr de volta ao Refúgio. A dor de cabeça mantém-se. Se tento acelerar o ritmo os pulmões começam a saír-me pela boca. Parece que corro com cinco quilos amarrados a cada perna num domingo de ressaca…

Demorei mais de uma hora para fazer 10 km. Isto de correr cá em cima não é nada fácil, não…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Colca Canyon

Saímos hoje de Arequipa às 08h30. Como queremos amanhã ir dormir a Puno juntamo-nos a tour turístico que, partindo de Arequipa, nos leva até ao Colca Canyon com uma dormida em Chivay (3633m). Durante o percurso até Chivay passamos em Patapampa. Sinto-me um bocado triste por alcançar a cota dos 4800m nas traseiras de um minibus… C’ est la vie…

Comprei umas folhas de coca para mascar. Como não senti nada durante a viagem acabei por não as utilizar. A Vanessa ainda sentiu uma leve dor de cabeça mas penso que será ressaca dos cafés e não mal de altitude.

A paisagem é um misto de Alpes, Açores e Patagónia. Agreste qb. Dá vontade de escolher um dos cumes nevados lá ao longe e começar a andar na sua direcção (OK, à Vanessa não dá vontade nenhuma).

As pessoas são simpáticas, de sorriso fácil e muito atenciosas. A vida aqui não é fácil. A Natureza é áspera e desumana. Só mesmo a teimosia do Homem, das Lamas e das Alpacas para se aguentarem nestas terras do Demo.

Estamos agora no Refúgio del Colca (3380 m) onde iremos pernoitar. Não é todos os dias que aclimatamos numa piscina termal a mais de 35 graus com vista para um canyon. O sítio é melhor do que aquilo que estávamos à espera. Quando chamaram os nossos nomes para sermos apeados do minibus nem queríamos acreditar! Porreiro, pá!

Amanhã temos o transporte marcado para as 06h30. Vamos até à Cruz del Condor ver se vêmos algum condor. Depois teremos de passar novamente por Chivay para mudar de transporte e seguir em direcção a Puno.

Este slideshow necessita de JavaScript.